jueves, julio 25, 2024

Populares da semana

Relacionados

19 de março de 1934 Homenagem ao Apóstolo do Brasil

Há 75 anos, quando deputado na Assembléia Nacional Constituinte, Dr. Plinio julgou oportuno homenagear o Bem-aventurado José de Anchieta, cujo IV centenário de nascimento se aproximava. Persuadindo dessa necessidade a maior parte de sua bancada, Dr. Plinio foi por esta escolhido para discursar em louvor ao Apóstolo do Brasil. Assim, no dia 19 de março subiu à tribuna da Câmara e pronunciou ardorosas palavras, das quais transcrevemos a seguir alguns excertos:

Nem o esquecimento nem a calúnia empanam o brilho da glória de Anchieta, que é hoje o sol que fulgura no zenite da História Brasileira. Seu vulto se ergue nas cabeceiras de nossa História, presidindo à formação da nacionalidade com seu vigor de herói e com sua virtude de santo.

As figuras congêneres que vemos na nascente de um grande número de nações famosas, brilham, em geral, num ardor agressivo de heróis selvagens e implacáveis, conquistando a celebridade ora em guerras justas, ora em inqualificáveis rapinas. Sua existência é discutida, e suas grandezas são fantasias tecidas pelo orgulho nacionalista, que se dissipam inteiramente pelo estudo imparcial da História..

Anchieta, pelo contrário, entrou para a História em um carro de triunfo que não era puxado por prisioneiros e vencidos, e nem a dor figurou no seu cortejo, nem os hinos de guerra celebraram seu triunfo e nem as armaduras foram seu paramento. Serviu-lhe de traje a túnica branca de sua inocência imaculada. Constituía-lhe o cortejo pacífico uma raça que arrancara da vida selvagem e defendera contra o cativeiro, e uma Nação inteira, que ajudara a construir para a maior glória de Deus, abrandando o rancor dos homens e das feras, na realização da promessa evangélica: Bem-aventurados os mansos, que possuirão a terra.

Mas eu disse mal, quando afirmei que a dor não figurara no seu cortejo triunfal: era ela o nimbo que o aureolava. Era a dor cristã do pelicano, que enche de amargura o mártir e o Santo, mas banha em suavidade quantos dele se acercam. Ele passara sua vida a distribuir rosas… e os espinhos, guardara-os para si, nas labutas do apostolado.

Em Anchieta, vas electionis [vaso de eleição], brotara uma flor de virtude, e esta flor, ele a semeou por todo o Brasil: é a mansidão suave ligada à energia serena mas inexorável, que é o eixo de nossa alma.

Na Ilha das Canárias, refere Celso Vieira em seu livro sobre Anchieta, há um monte de cujo cume o excursionista pode contemplar, graças a um curioso fenômeno visual, a figura [do Beato]projetada em sete cores sobre o céu, numa visão magnífica de glória. Ele é vulto culminante de nossa História. E o fenômeno visual que Celso Vieira descreve, outra coisa não é senão o símbolo grandioso do seu destino, e da Nação que haveria de fundar.

No momento presente, o Brasil atingiu, no seu roteiro histórico, uma culminância de onde se divisam ao mesmo tempo, sendas tortuosas que conduzem para vales sombrios, e caminhos luminosos para novas escaladas.

Convém, pois, que nesta hora de tremendas responsabilidades, retemperemos nossa fibra na contemplação reconhecida do maior vulto de nosso passado, e que, desviando nossos olhares dos abismos que nos solicitam, olhemos para o alto num gesto de confiança em Deus, antevendo, projetada em sete cores sobre o céu do futuro, a nossa Pátria engrandecida pela plena realização de sua missão histórica providencial.

Artigos populares